Take the Red Pill: the road to independence… (1)

Nessa série de posts vou tentar dar um “siga a seta” do que alguém que está fora do meio acadêmico deve estudar, para ter o conhecimento suficiente para ler artigos, e quem sabe publicar algumas coisas, mesmo estando de fora do meio acadêmico. Devo deixar claro que fiquei quase 5 anos fora do meio acadêmico, e retornei faz pouco tempo. Ainda não engrenei como um “publicador”. O que quero dizer é que são apenas sugestões de uma pessoa com um pouco de experiência. Não é uma receita de bolo para virar um cientista prolífico. Na verdade acho que é mais um conjunto de dicas para pessoas que gostam de física, mas não dispõe do tempo para fazer um curso formalmente.

Vou tentar dar dicas de como estudar, de quais pontos são os mais importantes, do que se preocupar, os pré-requisitos, e evitar perdas de tempo. Tentar otimizar o máximo possível o caminho para as pessoas que tem vontade em aprender física de verdade, possam chegar a conseguir ler artigos científicos (técnicos) de físicos renomados.

Devo deixar avisado que apesar de tentar dar atalhos, a caminhada é longa. O tempo pode variar de pessoa para pessoa, mas levando em consideração que um bacharelado em física demora 4 anos, com todos os atalhos, para alguém levando bem a sério, estudando todos os dias, exercitando, e lendo os livros recomendados, talvez seja possível reduzir pela metade o tempo. Um mestrado em física demora 2 anos, sendo 1 ano para disciplinas, e 1 ano para a dissertação. Um doutorado demora 4 anos em média, sendo o primeiro ano para disciplinas. Levando tudo isso em consideração, diria que em 4 anos, levando a sério todos os atalhos, e tendo sempre foco, em 4 anos seria o tempo suficiente para adquirir a base necessária para ler artigos que se encontram no limite do conhecimento. Novamente, considerando alguém aplicado, com vontade, e disciplina para levar a sério os estudos.

Gostaria de reforçar o objetivo desse post. O caminho a ser percorrido é difícil, apontar os atalhos a serem percorridos não significa tornar o trabalho menos duro. Se você não estiver disposto a levar a sério o método científico, e aprender a linguagem que os físicos usam para se comunicar através de artigos e livros técnicos, talvez esta série de posts não seja indicada para você. Pretendo fazer uma versão light para “poetas” que não gostam de fazer contas, nem gostam de raciocínio abstrato, mas gostam de história, e da “poesia” que a física oferece de vez em quando…

Att
Osvaldo Pereira
osvald23@gmail.com

It's only fair to share...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
About Osvaldo 51 Articles

Nascido em Belém-PA (1982), fez seu High School nos EUA em Greenwood, IN (Greenwood Community High School), é casado, bacharel em Física pela Unicamp, Mestre em Física pela Unicamp, experiência no mercado financeiro (em São Paulo).

Possui como hobby e outros interesses: Cosmologia, Física Teórica, Matemática, Economia, Econofísica, Filosofia, Modelagem em Risco de Crédito, Sistemas Complexos (em especial análise de clusterização).

Be the first to comment

Leave a Reply